Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

AntiBlogue

Blogue dum casal real, anti-fashion, anti-fit e anti-top. Detestamos correr, praia no Verão e berros de crianças. Gostamos de viajar, comer, música, livros, vegetar em frente à TV, saldos, limões e sobretudo um do outro.

AntiBlogue

Blogue dum casal real, anti-fashion, anti-fit e anti-top. Detestamos correr, praia no Verão e berros de crianças. Gostamos de viajar, comer, música, livros, vegetar em frente à TV, saldos, limões e sobretudo um do outro.

Já perdi a conta a quantas vezes escrevi sobre a Festa. Não tenho a respeito da Festa opiniões isentas. Sou comunista convicta desde muito antes de saber que as minhas ideias (sempre, desde criança sem saber ler nem escrever, me pareceu tão óbvio, não havia como não concordar) tinham este nome, por decisão própria e absolutamente isenta de influências familiares ou outras. Nem sempre estou totalmente de acordo com o Partido, mas isso não vem ao caso, porque a Festa não é só para comunistas nem só do comunismo, é a Festa de todos!

Fui à minha primeira Festa do Avante ainda habitava o útero de minha mãe. Não fui todos os anos (falhei duas por me encontrar fora do país, falhei outra por estar em recuperação de uma cirurgia e estar impossibilitada de caminhar), mas fui muitas vezes, e muitas mais irei, conquanto esteja viva e capaz. Já fui com namorados, com amigos e amigas (de todos os quadrantes políticos, note-se), com família, com menores, já fui com calor infernal, com frio e com muita chuva e trovoada também. Foi no Avante que comi o meu primeiro kebab, que enjoei cerveja (calma, só durante uns tempos, já passou), que vi os Xutos tantas vezes (e no Domingo verei novamente), que encontrei amigos e conhecidos que só já encontro no Avante, que lhes conheço a prole e as voltas da vida.

 

Sou daquelas pessoas que em Outubro já têm saudades da Festa, que sonham com ela o ano inteiro e que basta ouvirem a Carvalhesa para que o espírito de encha de ânimo, alegria e confiança. Emociono-me muitas vezes ao som da Carvalhesa, com lágrimas nos olhos e tudo. Estes três dias são, para mim, uma amostra de como um mundo podia ser: não perfeito, mas tão bom, tão melhor do que o que enfrentamos diariamente. Não há formalismos, somos todos iguais, sem cor nem credo nem género nem idade. Milhares de pessoas reúnem-se naquele espaço belíssimo, com interesses diferentes, com tradições e gostos diferentes, com histórias diferentes, cada uma com um universo dentro de si. E há lugar para todos. Há música (de todos os géneros), cinema, teatro, dança, desporto, debates, feira do livro e do disco, há gastronomia de todos os cantos do país, há representações internacionais (muitas delas também com gastronomia ou venda de artigos típicos), há debates, há política, há ciência, há espaços e actividades para as crianças. Há alegria. Tanta alegria. Há realmente camaradagem. Há famílias inteiras, há uma tão grande paz entre toda a gente, os grupos de adolescentes com as hormonas aos saltos e os reformados que trazem farnel de casa sorriem uns para os outros, mete-se conversa na fila para as bifanas com desconhecidos como se fossem amigos do peito, se porventura entornas o teu copo nos pés de alguém, levas uma palmadinha nas costas e dizem-te "tudo bem, amigo, não há azar, boa festa!" Ninguém olha de lado para ninguém. Não há desacatos. Não há mesmo Festa como esta!

Talvez seja orgulho de estarmos todos a respirar o aroma a baía misturado com aroma de pinhal, talvez seja por dançarmos todos ao som da mesma Carvalhesa. Há qualquer coisa de mágico, de indescritível, que se passa no Seixal no primeiro fim-de-semana de cada Setembro. Não sei se o Mestre (Jorge Palma, para os amigos) estava inspirado pela Festa quando escreveu o refrão da Terra dos Sonhos, mas é para lá que sou transportada sempre que oiço esta canção.

 

Na terra dos sonhos, podes ser quem tu és, ninguém te leva a mal
Na terra dos sonhos toda a gente trata a gente toda por igual
Na terra dos sonhos não há pó nas entrelinhas, ninguém se pode enganar
Abre bem os olhos, escuta bem o coração, se é que queres ir para lá morar