Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

AntiBlogue

Blogue dum casal real, anti-fashion, anti-fit e anti-top. Detestamos correr, praia no Verão e berros de crianças. Gostamos de viajar, comer, música, livros, vegetar em frente à TV, saldos, limões e sobretudo um do outro.

AntiBlogue

Blogue dum casal real, anti-fashion, anti-fit e anti-top. Detestamos correr, praia no Verão e berros de crianças. Gostamos de viajar, comer, música, livros, vegetar em frente à TV, saldos, limões e sobretudo um do outro.

[Boicotando descaradamente a ordem da longa lista de posts inacabados (em rascunho ou nas notas do telefone há meses!), hoje é que é, não vou adiar para comentar um assunto na ordem do dia.]

Opinião honesta de pessoa que até tende a ser conservadora em relação à literatura, quiçá a forma de arte em que é menos eclética (apesar de confessar gostar de Dan Brown, lá na categoria do entretenimento):

Gostei da decisão do comité Nobel. Aplaudo. Gosto das letras do Bob Dylan, reconheço-lhes qualidade poética, embora esteja longe das minhas preferências - o Cohen para mim é superior e até tem um romance absolutamente fantástico, e o Nick Cave ainda mais e - desculpem se ofendo a universalidade do inglês - o Ary dos Santos, o Zeca e o Jorge Palma não se ficam abaixo do Nick.

Obviamente que os poemas (cantados ou não) são indiscutivelmente Literatura. Só os velhos do Restelo e os míopes da cultura se chocam porque este autor hoje galardoado não escreve livros. E então? Num país que ainda não se deu conta que produz uma quantidade incrível de génios literários per capita é simplesmente ridículo ver a elite "erudita" a contorcer-se de aversão (e inveja?) com a atribuição deste Nobel. Estavam todos a torcer pelo Lobo Antunes, não é? Eu estava e estarei a torcer pelo Kundera, agora que Saramago e Alice Munro já viveram a justiça do seu mérito reconhecido.

Concorde-se ou não, a Academia tomou uma decisão audaz que tem, se não muito mais do que isso, a vantagem de ter provocado celeuma, espanto, colocando temas seculares no centro da discussão por algum tempo, arejando conceitos. Por exemplo, está agora mais uma porta aberta para agitar a discussão literária quanto à banda desenhada (graphic novels é um termo tão mais elegante), e só isso já é uma lufada de ar fresco bem necessária nas montras de livrarias rendidas ao fast food das letras, que só provocam fastio.

O confronto de cada um com a notícia forçou-nos a reflectir, a formar opinião, provocou-nos o espírito crítico. Se isto não é o melhor que a Academia Sueca podia fazer pela Literatura, digam-me então como seria fantástico que Murakami finalmente ganhasse o Prémio e o quanto a arte literária seria novamente subvertidaà sua mera vertente comercial. Pois. Bem me parecia.

3 comentários

Comentar post