Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

AntiBlogue

Blogue dum casal real, anti-fashion, anti-fit e anti-top. Detestamos correr, praia no Verão e berros de crianças. Gostamos de viajar, comer, música, livros, vegetar em frente à TV, saldos, limões e sobretudo um do outro.

AntiBlogue

Blogue dum casal real, anti-fashion, anti-fit e anti-top. Detestamos correr, praia no Verão e berros de crianças. Gostamos de viajar, comer, música, livros, vegetar em frente à TV, saldos, limões e sobretudo um do outro.

Jorge Sampaio, que se acabou de saber que foi o vencedor masculino do novo prémio Nelson Mandela, já teve, em tempos, a minha admiração. Ainda simpatizo q.b. com o senhor, que no meu instintivo sensor de carácter (é assim como um gaydar, mas quanto ao carácter das pessoas, e nunca me enganou) sempre deu o resultado de um bom íntimo, boas intenções. Além disso, acho que Jorge Sampaio é capaz de ser um dos poucos verdadeiros socialistas com cartão do PS. E por isso eu admirei-o. De tal forma que até votei nele para a re-eleição nas presidenciais. Foi o voto mais "à direita" de que alguma vez fui capaz, e arrependi-me amargamente (aquela tragédia chamada Santana Lopes como Primeiro-Ministro não eleito traumatizou-me para sempre, até me vesti de luto, na altura).

Só boas intenções não chegam, mesmo se aliadas a um bom carácter. É preciso estar certo e é preciso ter a coragem de dar pedradas no charco, de fazer diferente, de não temer a ruptura.

Agradeço essa lição a Jorge Sampaio.

 

(Sim, estamos sempre em campanha eleitoral, todos os dias, porque temos memória, todos os dias, e esperança num futuro melhor, todos os dias. E todos os dias são difíceis.)