Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

AntiBlogue

Blogue dum casal real, anti-fashion, anti-fit e anti-top. Detestamos correr, praia no Verão e berros de crianças. Gostamos de viajar, comer, música, livros, vegetar em frente à TV, saldos, limões e sobretudo um do outro.

AntiBlogue

Blogue dum casal real, anti-fashion, anti-fit e anti-top. Detestamos correr, praia no Verão e berros de crianças. Gostamos de viajar, comer, música, livros, vegetar em frente à TV, saldos, limões e sobretudo um do outro.

Estou devastada. Não estava preparada para esta terrível perda e, muito honestamente, não sei se estou preparada para viver num mundo sem Saramago, sem Cunhal, com tudo o que tem acontecido neste miserável século XXI, e agora também sem Cohen. Não sou de sentimentalismos, sobretudo sobre artistas, por muito icónicos que sejam, mas hoje chorei e ainda não percebi bem porquê. Não sendo surpresa que Leonard Cohen ocupa desde e para sempre um lugar de eleição de entre as minhas referências incontornáveis na música e na literatura, estou chocada com esta dor, esta saudade antecipada que me carrega a expressão. Está a fazer-me falta talvez a fé, porque seria seguramente apaziguador acreditar em outra coisa que não na finitude. Não sei se será até sempre, mas enquanto estiver por cá, Cohen será um dos "meus" imortais.

1 comentário

Comentar post