Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

AntiBlogue

Blogue dum casal real, anti-fashion, anti-fit e anti-top. Detestamos correr, praia no Verão e berros de crianças. Gostamos de viajar, comer, música, livros, vegetar em frente à TV, saldos, limões e sobretudo um do outro.

AntiBlogue

Blogue dum casal real, anti-fashion, anti-fit e anti-top. Detestamos correr, praia no Verão e berros de crianças. Gostamos de viajar, comer, música, livros, vegetar em frente à TV, saldos, limões e sobretudo um do outro.

Há pessoas, que serão representativas duma secção importante do eleitorado, calculo eu, que tentam desculpar o voto ignóbil chamando-lhe "voto útil", que consiste em votar num grande partido ou coligação para que outro grande partido ou coligação não "ganhe" eleições. Defendem-se com o ainda mais ignóbil argumento de que os pequenos partidos nunca irão "ganhar".

Quando às legislativas, não só essa interpretação se esquece de que o CDS, a quarta força política do país, conseguiu constituir (des)governo com os laranjas, como - muitíssimo importante - se esquecem de que as eleições legislativas servem primeiramente para eleger os deputados representantes dos respectivos círculos eleitorais. E só depois para o(s) partido(s) mais representado(s) ser(em) convidados pelo P.R. para constituir governo. Trocando por miúdos, gostava que ninguém pensasse que no próximo 4 de Outubro tem de escolher entre a dupla Passos + Portas (= ❤?) e o Costa. Gostava que ninguém tivesse dúvidas que não é disso que se trata. (Até porque, aqui entre nós, entre uma e outra opções, venha o Diabo e escolha.) Um deputado honesto e competente pode fazer uma enorme diferença. Cada voto conta. Conheçam as listas de todos os partidos a votos no vosso círculo eleitoral, pesquisem sobre o seu trabalho se já foram eleitos ou ocuparam cargos públicos anteriormente.

Perdoem a expressão, mas não se limitem a escolher entre a merda e o cagalhão (rima e é verdade). Façam-se representar!

 

2 comentários

Comentar post