Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

AntiBlogue

Blogue dum casal real, anti-fashion, anti-fit e anti-top. Detestamos correr, praia no Verão e berros de crianças. Gostamos de viajar, comer, música, livros, vegetar em frente à TV, saldos, limões e sobretudo um do outro.

AntiBlogue

Blogue dum casal real, anti-fashion, anti-fit e anti-top. Detestamos correr, praia no Verão e berros de crianças. Gostamos de viajar, comer, música, livros, vegetar em frente à TV, saldos, limões e sobretudo um do outro.

As fashionistas e trend-setters hão-de ficar horrorizadas com as minhas escolhas (e nem precisam de ver as coxas da coxa!), mas eu sou uma miúda low-profile, simples e prática e, basicamente, com o mesmo estilo de roupa desde a minha fase neo-gótica-comuna-punk na adolescência.

E sou gaja. Logo, nunca tenho nada para vestir, por muito que o roupeiro não feche de cheio que está. E ainda sou pobretanas. Ou tenho mais onde gastar o ordenado que em trapos (viagens, estou a piscar-vos o olho!).

Ergo...

A Primark é uma perdição para mim*. Cumpre quase todos os requisitos para me agradar, só falta ter o espaço só para mim, loja online e uma loja física na margem certa (diz que será lá para meados de 2016) para ser perfeita.

Tem de tudo, de todas as gamas ao alcance da minha carteira (desde o tão-barato-quase-descartável até ao deves-ter-a-mania-que-és-a-gama-alta-da-Zara), tem acessórios giros, e calçado, e uns jeans que gosto de vestir. Eram baratos, 10€, e depois ainda baixaram de preço. E eu gosto tanto que compro o mesmo modelo em quase todas as cores, e... - o drama, o horror! - compro vários pares iguais e da mesma cor.


 

 

 

 

 

 

*sem publicidade paga ou "parcerias". Infelizmente. (Já mencionei que não tenho nada para vestir?)